28 de jul de 2011

Cenas de um Final já (não tão) Esperado

Eu travestida de Amy em 2007, numa festa a fantasia

As pessoas passam por fases em suas vidas e eu não sou exceção. Em um desses períodos em que buscava inspiração ligada à moda, me deparei com a - então - novata artista Amy Winehouse e foi tudo amor a primeira vista. Argolas multicoloridas e marcantes, polka-dots, 'pinupismo' e babados. Acho que devo até um pouco do que eu me visto hoje em dia (pouco remanescente do tempo exposto) a ela.
Não posso afirmar que fui fã incondicional, oras. Ouvia os hits, ganhei a biografia, cansei. Acontece isso mesmo quando a gente é jovem, esse turbilhão de coisas que vemos e passam por nós. Logo, eu uma menina que a conheceu em seu auge, mas não declara o amor, às vezes com gosto falso, que todos resolveram brotar essa semana, me peguei em uma surpresa não surpreendente quando ao sábado, fui informada que Amy tinha falecido.
Vamos colocar em termos práticos: Nós sabiamos que isso aconteceria, inclusive já existiam sites especializados em ditar como, onde quando e por quê Amy pereceria; Mas fica aquela pontada de dor de quem nunca viu, aquela nostalgia de lembrar de como uma influência se foi, de como a gente pensa que gosta menos de uma pessoa e se surpreende quando vê que ela não pode mais fazer parte da sua vida, mesmo que a mesma nunca saiba que você existiu.
Fica a saudade.

R.I.P. Amy Winehouse - minha primeira influência no mundo da moda.

5 comentários:

Tay disse...

Nossa, vai fazer uma falta e tanto... adorava a Amy, e fiz até um post sobre isso no dia que ela morreu. Todos meio q sabiam, mas a gente fica cético né. Principalmente quando - no meu caso - se trata de sua cantora preferida. Triste, mas nada mais se pode fazer além de lembrar e ouvir suas canções.
Olha, meu blog vai ficar um tempinho sem postagens e tal, porque não estou conseguindo acessá-lo, e ainda nem descobri o que é isso. :S
Beijo!

Letícia disse...

senta que lá vem a história!

Em primeiro lugar queria te agradecer o apoio lá no blog pela partida da minha avózinha. Foi um baque mas estou vivendo omentos tão loucos e intensos que nenhuma dor pode me atingir nesse momento.
Ela era uma pessoa feliz e eu sei que está por aqui, olhando por mim e ajudando a abrir os caminhos!
=]

Letícia disse...

sobre a Amy, não há como não comentar.
Eu adorava. Sabia que tinha o sonho de me vestir como ela e fazer uma sessão de fotos co um amigo?
Nossa, a gente planejou tanto isso. Daí dias atrás, depois da morte dela ele me convidou pra finalmente fazermos isso, só que estou morando no Rio e não tenho como fazer isso com ele.
Mas enfim, é isso. Só saudade. Saudade da alguem que parece intima minha mas nem sabia que eu existia.
Seu texto está perfeito!

beijos!

Letícia disse...

ah sim, meu blog esteve entregue às traças mas vai voltar a funcionar viu!
está convidada para tomar um chá por lá..hehe

Deyse Sales disse...

Linda foto, belo texto.