22 de ago de 2008

Não Tem Preço.

Ela podia morar numa mansão de 6 andares, com quartos luxuosos decorados com camas de dossel. Comia nos melhores restaurantes e dançava nas boates mais bem frequentadas da cidade. Tudo isso circulada de pessoas que juravam ser fiéis à ela até o fim e fazer tudo juntos. Um dia, o pai dela perdeu o emprego, a mãe ficou em depressão e a casa luxuosa foi vendida, os restaurantes pareciam não lembrar mais de quem ela era e as boates estavam fora de cogitação pelo preço altíssimo. A única coisa que restava para ela era o sopro de esperança que poderia alcançá-la pelos tão ditos companheiros de carteirinha, mas quando ela tenta se aproximar, ocorrem várias coisas estranhas: Um parece nunca estar em casa, outro viajou, aquela ficou doente. A menina então percebe que nenhuma daquelas pessoas nunca nutriu um sentimento verdadeiro por ela e sai triste pela cidade. Quando senta no banco da praça, vê dois meninos rindo e dividindo um sorvete e conclui que aqueles que se diziam seus "amigos" apenas olhavam para quantos dígitos tinha sua conta bancária e nunca pensavam em fazer algo simples e tão intenso, maravilhoso. Porque amizade de verdade, daquelas que te fazem rir e dividir o sorvete porque o dinheiro está curto, não têm preço.

3 comentários:

tha disse...

ai, que lindo e triste!
merece ir pra revista!
parabéns!!

beeijos

Ana Carolina disse...

Eu já falei tanto sobre amizade no meu blog, que dessa vez resolvi nem postar. Mas na verdade foi por preguiça, não por falta de assunto, já que este parece nunca acabar!
Gostei muito do texto, que me lembru um pouco Gossip Girl =)

Lendo os outros posts vi vc falando sobre o show da Madonna. Mentiiira que encontrei outra tudo de blogueira que também quer ir! =D
Vaaaamos! *-*
ahahaha .. beijos!

Robbie Jacks disse...

Boba era ela, de esbanjar luxúria!!!srsrsrs

Amizades têm preço, sim. O problema é que ela escolheu pagar na moeda errada...