2 de dez de 2010

Edward versus A História Vampírica.

Disclaimer:
Antes que algum fã de Crepúsculo furioso venha reclamar nos comentários por se sentir ofendido de alguma maneira, entenda que isso é só um texto e que eu não estou denegrindo a sua integridade.

Historicamente falando, os vampiros existiram, mesmo que não como nós os imaginamos. Ocorre que antigamente, quando se possuia uma doença chamada Hemofilia - que é a dificuldade de coagular sangue quando ocorre um ferimento - não haviam postos de saúde prontos com bolsas de sangue para salvar os portadores dela. Logo, o que fariam essas pessoas? Roubar sangue humano, claro. Isso lhe soa familiar?
O primeiro registro literário sobre vampiros data de 1800 (+/-), mas podemos ver o assunto se tornar popular com a chegada de Bram Stoker e seu Drácula. Veja, o personagem inspirou o filme Nosferatu, logo se conclui:
- Vampiros morrem ao contato direto com o Sol;
- São seres do submundo e não possuem sentimentos;
- Não possuem reflexos ou sombras, pelo fato de não possuirem almas;
- Vivem exclusivamente na busca do prazer carnal.
Então, pegando a história Crepúsculo e a colocando em concordância com fatos mitológicos e histórias produzias há séculos, Edward não brilharia no Sol, nem se apaixonaria. A partir do momento em que ele encontrasse Bella - ou qualquer outro habitante que lhe parecesse agradável - ele a violentaria e mataria.

Mas eu tenho uma teoria sugestiva sobre a classificação mitológica de Edward...
- O fato do personagem brilhar a luz do Sol, pode acarretar em pensamentos como: uma aura em torno do seu corpo, que ao contato com os raios solares, se revela;
- Como ele possui contato com a natureza, isso demonstra bondade (ao menos na hora de construir seu personagem, Meyer quis mostrar isso) e assim o faz um tipo de guardião;
- Ele realmente é um guardião da pessoa que ama, Bella, a tirando de situações perigosas e protegendo-a até o fim, com lealdadade.

Bem, não preciso dizer que isso é uma antítese ao que um vampiro é, já está bem claro; Mas ao ler os pontos e ligá-los um ao outro, chegamos a:
Só falta a varinha de condão, amigo.

3 comentários:

Dr. Wikipisces disse...

PADRINHOS MÁGICOS!!!!!!!!

PEGA ELE CROCKER!!!!

Anônimo disse...

DINKLEBERG.

Daninha disse...

Eu gosto do filme, já li os livros, mas vamos combinar é fantasia demais né, história boa mesmo de vampiro tem que ser como o Drácula ou Entrevista com Vampiro *-*
Beijos