23 de set de 2010

Filosofando Presságio.

Quando saiu no cinema, eu não o assisti. Confesso que achei a trama de Presságio (Knowing) muito batida, essa coisa de que o mundo vai acabar e alguém conseguiu prever, blablabla. Outro dia, acometida por oportunidade, zapeei no TC Premium e estavar por começar o mesmo. Parei. Concentrei. Não consegui fazer mais nada a não ser admirar o filme, que é um verdadeiro épico. Me desculpem os admiradores de 2012, O Dia Depois de Amanhã ou Independence Day, mas além de ter cenas de ação realistas, Presságio é um filme admiravelmente metafórico sobre várias coisas, dispondo elas num verdadeiro misto de religião, ciência e cultura popular, muito bem executado po sinal.
Ter como leadman Nicolas Cage me ajuda a suportar um filme até por demais - fui assistir Aprendiz de Feiticeiro só por ele e odiei o conjunto - mas ter como leadman Nicolas Cage, interpretanto um astrofísico cético, é demais. Ao descobrir um papel com números dispostos de maneira randomizada, ele acha uma série de combinações das grandes catástrofes mundiais até a presente data, faltando apenas um ligeiro final.
Atenção, a partir de aqui, poderá conter spoilers, considerem-se avisados.
Ao assistir o filme pela segunda vez com meu pai, discutimos sobre toda a narrativa: seria um alerta bíblico - o que achei bem óbvio - ou apenas coicidências jogadas no roteiro?! O fato do Sol acabar com a Terra é totalmente científico, afinal, nós sabemos que como um astro, ele irá morrer; Mas o fato do filho de Cage, um menino chamado Caleb - nome tradicionalmente árabe e também bíblico - e a neta de Lucinda, Abby - abreviação de Abigail, um nome bem judaico e também presente na bíblia, esta inclusive sendo a esposa do Rei Davi - para viverem em um novo planeta, com uma grande árvore em seu centro - oi, Éden?! - e levando consigo coelhos - símbolos da fertilidade na Páscoa cristã - é coincidência por demais. O que me leva ao último tópico interessante, a inserção de aliens em sua trama, o que nos fez lembrar do livro "Eram os Deuses Astronautas?", de Erich von Däniken (recomendo a leitura) e toda sua teoria de uma cruza entre eles e nós.
A verdade é que eu filosofo até por demais quando vejo um filme. Acabo perdendo o centro da diversão por isso e me prendendo em debates sobre, vejam só nesse caso religião... Se quiserem filosofar como eu, Presságio é um ótimo filme para tirar interpretações... Se quiser diversão, assista também; além de um pouquinho de sangue, não é tremendamente assustador nem tão apocalíptico.
Eis o trailer:




ps. voces deveriam me ver debatendo sobre como os (meu amados) zumbis representam a ganância e o capitalismo na sociedade atual; é fofamente bizarro.

2 comentários:

Anônimo disse...

humm...irei vê-lo

Daninha disse...

Ainda não vi, mas minha amiga falou que é muito bom.